Modelo regional de sucesso no interior do Brasil, ZFM completa hoje 57 anos

 

A Zona Franca de Manaus (ZFM) completa hoje 57 anos de existência. Perto de se tornar um sessentão, o projeto chega a este aniversário reafirmando-se como único projeto de desenvolvimento regional de sucesso na Amazônia.

No entanto, esses 57 anos transcorrem num curso paralelo de sucesso e ameaças.

É como tivesse andando para frente com o freio de mão puxado.

Para ilustrar, vou listar alguns itens desse paralelo:

Sucesso Ameaça
A ZFM é, de fato, o mais bem sucedido modelo de desenvolvimento regional do país. Mas, ainda assim, continua sendo atacada e questionada por setores empresariais, políticos e acadêmicos de outras regiões do país.
O faturamento do Polo Industrial da ZFM cresce aos bilhões a cada ano. Está a caminho dos R$ 200 bilhões. Mas este crescimento se  concentra, basicamente, em três setores: eletroeletrônico, duas rodas e concentrado de bebida não alcoólica. Estes setores são sensíveis e em constante vulnerabilidade.
Crescimento de investimento em P&D (Pesquisa e Desenvolvimento). Olha os bilhões aparecendo de novo: R$ 2 bilhões/ano. Mas esta área, que pode garantir raízes próprias do modelo, desenvolve-se com regras que causam insegurança. Pior: são regras que dificultam o investimento ainda maior por parte das empresas.
CBA ganhou, enfim, no governo Lula, personalidade jurídica após 20 anos de indefinição. Mas o Centro de Bionegócios da Amazônia ainda não consegue mostrar à sociedade seu potencial de alavancar o desenvolvimento econômico e científico da região.
A ZFM busca a diversificação dos negócios do modelo a partir da bioeconomia. Mas sem ações concretas dos governos em infraestrutura e formação de capital intelectual que estimulem o uso do potencial regional.
No ano passado, a reforma tributária manteve a ZFM na Constituição Federal Mas isso somente será possível e concreto se as regulamentações da nova lei tributária contemplarem a manutenção das vantagens comparativas da ZFM.

Esse paralelo compõe o amadurecimento de um modelo de desenvolvimento que não se permite a acomodação, o conformismo.

É a raiz da consciência (ou inconsciência) de sua responsabilidade social, ambiental e econômica da região mais cobiçada pelo mundo, a Amazônia.

A força de cerca de 500 mil trabalhadores que, de forma direta e indireta, fortifica diariamente o Polo Industrial de Manaus.

Essa força gera riquezas ao país, move um ecossistema produtivo moderno e inovador, constituído por mais de 450 indústrias nacionais e multinacionais que aderem às práticas ambientalmente conscientes, como o uso de tecnologias limpas e sustentáveis.

Dessa forma, tornam a região um exemplo de como o crescimento econômico pode coexistir harmoniosamente com a proteção do meio ambiente.

Comprovado cientificamente, a manutenção da floresta amazônica é intrinsecamente ligada à Zona Franca de Manaus.

O modelo consegue demonstrar como o progresso industrial pode ser aliado da preservação ambiental.

As práticas de produção responsáveis não apenas minimizam o impacto ambiental, mas, também, servem como catalisadores para a conscientização global sobre a importância da Amazônia para o equilíbrio climático do planeta.

Além disso, a Zona Franca de Manaus emerge como um gerador essencial de emprego e renda na região.

Ao proporcionar oportunidades de trabalho para milhares de pessoas, ela não apenas impulsiona o crescimento econômico local.

Assim também fortalece os laços comunitários e contribui para a inclusão social.

Os empregos do PIM, que se espraiam para outros setores, promovem uma qualidade de vida mais elevada para os habitantes locais.

Ao refletirmos sobre esses 57 anos, celebramos não apenas o sucesso econômico da Zona Franca de Manaus, mas também, seu comprometimento duradouro com a sustentabilidade e a preservação ambiental.

A região tornou-se um farol de esperança. Mais que isso: indica que é possível alcançar prosperidade econômica sem comprometer os recursos naturais essenciais.

Aos que dedicam suas energias à ZFM, investidores que acreditam no potencial sustentável da região e aos trabalhadores que diariamente constroem esse legado, gratidão.

Que estes 57 anos de sucesso sejam celebrados não apenas como uma conquista econômica, mas como um compromisso contínuo com a harmonia entre desenvolvimento e preservação, sustentabilidade e progresso na preciosa Amazônia

Diante disso, apesar do freio puxado, a Zona Franca de Manaus acelera. Assim, a cada dia, firma-se como esteio central da economia regional. Mais que isso: pai e mãe dos amazonenses e de seus estados vizinhos.

Com informações : BNC AMAZONAS

By souza

Publicitário/ Apresentador de Rádio e TV/ Especialista em Marketing Digital/ Assessoria de Imprensa