BADAUI PROMETE GRANDE SHOW EM RETORNO DO CPM A MANAUS

BADAUI PROMETE GRANDE SHOW EM RETORNO DO CPM A MANAUS

//
Postado Por
/
Comentário0
/
Categorias

O CPM 22 é uma das atrações da primeira edição do Moto rock festival, que acontece 04 e 05 de novembro, no Podium da arena da Amazônia, a partir das 15h. O evento ainda contará as presenças Marcão [Marco Britto], Digão Raimundos e Egypcio.

CPM 22 é uma banda brasileira de hardcore melódico formada em 1995 na cidade de Barueri, São Paulo. Os membros, Badauí (vocal), Japinha (bateria), Luciano (guitarra), Fernando (baixo) e Phil(guitarra) já abriram shows de bandas internacionais como Lagwagon, No Fun at All, Down by Law e System of a Down (Rock in Rio 6, onde comemoravam 20 anos da banda). Foi uma das poucas bandas brasileiras de hardcore a ganhar um disco de ouro e fazer sucesso no mainstream, e com isso, abriu as portas para uma nova geração de bandas brasileiras de rock. Em 2008 ganharam um Grammy Latino de melhor álbum de rock brasileiro.

A banda existe desde 1995, antes chamada apenas de “CPM”. Já em 1996, lançaram sua primeira demo tape em formato K7 . Em 1998, a banda criou uma caixa postal resultando no número 1022. Ao notarem a coincidência com a sigla (CPM), mudaram o nome da banda para Caixa Postal Mil e Vinte e Dois, e intitularam a segunda demo tape com o novo nome. Gravada em agosto de 1998, a demotape do CPM 22 foi produzida por Kuaker e Mingau no estúdio Wah-Wah, em São Paulo.

A agenda de shows foi crescendo e, conseqüentemente, a cobrança por material novo. Surgiram novas composições, sempre com a marca da banda e o resultado foi o CD independente A Alguns Quilômetros de Lugar Nenhum.

A versão de que CPM significa Caixa Postal Mil e Vinte e Dois foi contrariada pelo guitarrista Wally que saiu da banda por iniciativa própria, na turnê do disco Cidade Cinza. No DVD CPM 22 o Vídeo 1995/2003 Wally afirma que o nome da banda surgiu quando ele e seu primo brincavam e diziam um para o outro: Crucificados e Podres Hasta la Muerte. Onde surgia a sigla CPM, e ainda afirma que o número 22 foi um número qualquer escolhido. Mas, também corre a versão que o nome da banda se deu pelos personagens icônicos na infância do vocalista: Claudio, Péricles e Murilo os três tios do líder da banda.

Os clipes de “Regina Let’s Go!” e “Tarde de Outubro” foram indicados para o MTV VMB 2002, este último recebendo o prêmio na categoria banda revelação. “Caímos na estrada fazendo mais de 100 shows, confirmando o ótimo ano de 2002 para o CPM 22, cheio de muitas alegrias e novas experiências”.

Chegou a Hora de Recomeçar A parceria rendeu mais um álbum, o Chegou a Hora de Recomeçar. “Desconfio” , “Dias Atrás” e “Não Sei Viver sem Ter Você” marcaram sua carreira com direito a participação da música “Atordoado” em uma novela da Rede Globo “Da Cor do Pecado”. Após todos os êxitos e alegrias de 2003 voltaram para o estúdio.

As letras são todas inspiradas em fatos e momentos que passaram em alguma fase de suas vidas. Este disco conta com a participação de amigos da cena underground como o multimúsico Maurício Sanchez tocando sintetizador em “Argumento” e Rodrigo da banda “Dead Fish” que dividiu os vocais da música “Atordoado” com o Badaui. Koala, que fundou a banda Hateen juntamente com o Japinha participa do disco com a música “Não Sei Viver sem Ter Você”, de sua autoria.

Vinte e poucos anos atrás o Badauí me contou que iria montar uma banda. Lembro de ganhar a primeira fita demo do CPM que na época ainda não tinha adicionado o 22 no nome. Não me recordo muito do show de inauguração do Hangar 110, antológica casa de show punk paulistana, pois tinha tomado toda a cerveja separada no camarim para o CPM 22, que abriu a noite. Mas por outro lado, lembro perfeitamente quando lançaram o primeiro CD, totalmente independente. Nessa época, minha antiga banda, Blind Pigs, levava os novatos do CPM 22 para abrir alguns shows, e para nosso desespero, em algumas cidades eles já estavam roubando a cena. Ralaram muito no underground, sou testemunha disso, e graduaram com mérito para o grande público, que estava sedento de uma banda hardcore brasileira que cantasse em português. Os caras estouraram e viraram trilha sonora da vida de muita gente. Seis discos de estúdio depois, o CPM 22 lança seu trabalho mais honesto, Suor e Sacrifício, um álbum maduro que mostra a evolução da banda após algumas mudanças na formação. Combustível abre o disco queimando o asfalto, arrebentando tudo pelo caminho. É CPM 22 clássico, que os fãs conhecem, música para abrir roda nos shows. Ser Mais Simples, o primeiro single, agradou quem ansiosamente esperava material novo dos caras e quem cresceu ouvindo a banda com certeza irá se identificar com o punk rock melódico e cheio de atitude de Linha de Frente. Falando em fãs, estes ainda ganham um belo tributo na música A Esperança Não Morreu, uma das melhores do álbum. Me diz o seguinte, você já se imaginou gravando uma música com o vocalista de uma das bandas que mais te influenciou? Pois os caras fazem isso em Never Going To Be The Same onde o Badauí divide os vocais com ninguém menos que Trever Keith, líder da veterana banda americana Face to Face. Mas o auge do disco é discutivelmente a linda Honrar Seu Nome, dedicada ao pai do Badauí, que faleceu no ano passado. Confesso que meus olhos marejaram quando a escutei pela primeira vez. Suor e Sacrifício fecha com o hino Todos Por Um que com certeza será cantado em uma só voz nos shows. Parabéns CPM 22! Provaram que continuam relevantes no cenário nacional da melhor maneira possível, com um grande disco. Vida longa!

Henrike Baliú (Blind Pigs)

Já estão disponíveis os ingressos físicos no Sindicato e no www.aloingressos.com.br do @motorockfestivalmanaus #04e05deNovembro no Pódium da Arena da Amazônia!!

oioioi

Responder