Em Defesa de Cristo: Entrevista com Lee Strobel

Em Defesa de Cristo: Entrevista com Lee Strobel

//
Postado Por
/
Comentário0
/
Categorias

Lee Strobel, autor do best-seller que deu origem ao filme que estreia dia 14 de setembro nos cinemas

Existe evidência concreta de que Jesus de Nazaré realmente é o Filho de Deus? Quão confiável é o Novo Testamento? A evidência de Jesus existe fora da Bíblia? Existe algum motivo para acreditar que a ressurreição foi um evento real? Todas essas são perguntas feitas por Lee Strobel em 1980, um jornalista ateu que, por causa da conversão da esposa, usou o jornalismo para tentar desvendar um dos maiores mistérios da história como uma forma de desacreditar o cristianismo.
Essa incrível história virou filme e, dirigido por Jon Gunn, poderá ser assistido nos cinemas brasileiros a partir do dia 14 de setembro através da parceria California Filmes e 360 WayUp.
Com um mês para o lançamento do filme, Lee Strobel, um dos escritores mais renomados do segmento nos Estados Unidos, hoje com 65 anos, respondeu algumas perguntas sobre a motivação por trás de “Em Defesa de Cristo” e o que isso diz sobre como os cristãos devem defender a fé.

Como se sente sabendo que a história da sua conversão poderá ser vista nos cinemas? É estranho?
Sim, é estranho, surreal e emocionante ao mesmo tempo. Mostramos no filme minha vida antes e depois da conversão. Mostramos momentos complicados em meu casamento. Minha esposa Leslie, por exemplo, já viu o filme sete vezes. Ela disse que quer chorar tudo agora. São cenas baseadas em nossa vida real. Não tem como não reviver tudo. Por exemplo, num dos sets de filmagem, a produção recriou a sala de redação do Chicago Tribune. Parecia que estava entrando numa máquina do temo.

E a abordagem do filme? Transformar um livro de mais de 300 páginas de uma história sobre fé, num filme bonito e atraente, é um super desafio, não é?
Realmente! O filme não é um documentário onde somente mostramos as provas. É uma história. É uma história de amor, de casamento. Uma história de um pai e um filho que têm um relacionamento difícil. É uma história sobre o jornalismo das grandes cidades. Mas, também é uma história sobre uma jornada espiritual e a evidência da fé. É quase esse equilíbrio entre verdade e graça sobre a qual a Bíblia fala. Aqui temos a verdade da mensagem cristã, a evidência da mensagem cristã, os fatos por trás da mensagem cristã, mas também a graça, também a história, também a humanidade. Acho que construímos uma boa história a ser vista nos cinemas.

Como você acredita que os céticos responderão ao filme “Em Defesa de Cristo”?
Não sei se os céticos se interessarão em ver um filme com esse título, mas
não sei ( risos). Fico pensando se veriam.. Mas, o que vai acontecer de fato é: Os cristãos que ficaram intrigados com a história podem ir ver e identificar alguém para quem deveriam recomendar. E, pode ser um cético, por que não? Vamos levá-los ao cinema através do nosso relacionamento. E acredito, honestamente, que o momento mais importante do filme vai acontecer depois que acabar. Numa lanchonete, cafeteria…Com as boas discussões que o filme vai gerar. É isso que eu espero.

Claramente, o filme é uma ferramenta de evangelização. Na sua opinião, o filme se propõe a “provar” o cristianismo? 
Creio que a evidência aponta poderosamente e persuasivamente para a verdade do cristianismo? Sim. E acredito que este filme mostra isso. Nós “definitivamente provamos” isso? Isso é uma questão de opinião. Todos damos um passo de fé, uma direção ou outra. A questão é: o passo da fé é na mesma direção que a evidência está apontando? Eu acho que temos que mostrar que a evidência aponta em uma direção onde o próximo passo mais lógico e racional é dar um passo de fé e receber esse presente gratuito que Deus oferece.

Como você acha que os cristãos podem repassar essa gratidão ao falar sobre fé cristã aos não cristãos?
Absolutamente, nós, como cristãos, devemos validar as pessoas como sendo feitas à imagem de Deus. Temos de respeitar o fato de que eles estão em uma jornada espiritual. Temos que entender que as pessoas muitas vezes têm pontos de aderência espirituais que os sustentam nessa jornada. E queremos ajudá-los a superar esses pontos de adesão. A conversão é um processo. Demorou dois anos pra mim, e se alguém me pressionasse para uma decisão após um mês, eu teria recuado e ido para o outro lado. Então, muitas vezes é demorado. Eu acho que temos que entender e respeitar isso, e eu acho que as igrejas devem facilitar. Devemos criar um ambiente onde pessoas espiritualmente curiosas sintam a liberdade de vir, experimentar, fazer perguntas, procurar por um período de tempo – enquanto estão nesta jornada em direção à cruz.

Filmes que tem o tema central ligado à apologética, que é a defesa argumentativa de que a fé pode ser comprovada pela razão, geralmente podem ser usados de duas maneiras pelos cristãos. Podem ser usados para triunfar sobre os inimigos e nos sentirmos bem com nossa crença ou, podem ser um meio para amarmos melhor Deus com nossas mentes e compartilhar a lógica de nossas convicções com os outros. Como conseguimos o último em vez do primeiro? E como você acha que o filme faz isso?
Eu acho que a frase-chave que eu gosto de usar no século 21 é “apologética de conversação”. Em outras palavras, isso faz parte do relacionamento. Não é que alinhamos alguém contra a parede e nos metralhamos com cinquenta fatos para a fé, como talvez o que foi feito há cinquenta anos. Hoje, é uma apologética onde se conversa. É um relacionamento. Está criando um lugar seguro onde as pessoas em uma amizade podem conversar, ao longo do tempo, sobre as questões que têm. Os obstáculos, intelectualmente; os pontos de aderência, espiritualmente.
Eu acho que Deus honra essa perspectiva porque estamos respeitando alguém que fez a sua imagem, que tem perguntas legítimas. Não é rápido como comida no microondas. Algumas pessoas precisam marinar nisso por um tempo antes de se convencerem de que o cristianismo é verdade.  Eles vão surgir mais fortes em sua fé porque passaram o tempo fazendo perguntas antecipadas. E, como Jesus disse, contando o custo antes de tomar essa decisão.
Eu sempre gosto de encorajar as pessoas, se estiverem prontas, a confiar em Jesus. Mas, eu sempre gosto de ter esse outro passo para as pessoas e dizer: “Você sabe, se ainda não está pronto, está tudo bem. Continue a verificar isso. Continue investigando. Faça sua própria jornada.” Aqui está o acordo: não tenho medo de quem investiga o cristianismo com um coração honesto e aberto.

oioioi

Responder